Sobre Scab Hair

Olá, lindezas!

Antes de tudo, fiz um vídeo falando sobre scab hair para nosso VEDA, vem ver:

Mesmo depois do Big Chop, algumas pontas ficam sem definição e ressecadas, isso se chama Scab Hair, fios mais ásperos que na teoria são passageiros. É mais o cabelo em seu último pedido de socorro por tanta química que o cabelo levou, mas feliz que acabou rs

Veja a imagem abaixo do cabelo (ainda sem big chop), mas para entender do que eu estou falando:

Resultado de imagem para scab hair
“Linha” que divide o cabelo natural do cabelo com química. Imagem: https://blackhairinformation.com/

Os cuidados na transição capilar infelizmente não evitam o aparecimento do scab hair.

No meu caso: ainda tenho scab hair, mesmo com 4 anos de big chop. Vou lidando com ele. Na verdade, o nome é ressecamento e definição estranha. A gente vai levando, entupindo de creme e óleo, pois mesmo se eu cortá-lo pela raiz, é possível que ele nasça do mesmo jeito rs

 

Espero que gostem! ❤

Grande beijo,

Duda Buchmann

Alongamento de Cílios x Volume Russo

Resultado de imagem para cílios
Olá, lindezas!
Estamos no VEDA no Youtube!!! Ou seja, vídeo todos os dias desse mês! Se inscreve aqui: http://youtube.com/c/eduardanegraecrespa
O 4º vídeo é sobre minha experiência com alongamento de cílios e volume russo:
20630255_1802464993101964_1164495587_o.jpg
  • Explicando melhor cada técnica:

 

Volume russo (“tufinhos”):

A técnica consiste na implantação de tufos personalizados e “montados” durante o procedimento. Geralmente, são colados de dois a nove fios em cada cílio natural. A duração é de mais ou menos 30 dias.

Procedimento dura aproximadamente 40 minutos.

Consiste na colocação de fios sintéticos um a um, promovendo um aspecto de cílios mais longos e preenchidos. A duração é de mais ou menos 20 dias.

Tudo que você precisa saber está aqui: Falando sobre alongamento de cílios

Eu fiz os meus com a Juliana Fredes – @julianafredesmakeup

 

Qualquer dúvida, só perguntar!

Grande beijo,

Duda Buchmann

Inspiração CABELO CACHEADO E CRESPO COM TOUCA

19893904_1775559745792489_1576838848_o.jpg

Olá, lindezas!

O inverno está aí e as temperaturas baixando a cada dia, temos que tirar os casacos do armário e outros acessórios para nos aquecer. Luvas, meias de lã e toucas, por exemplo.

Talvez para algumas de nós, cacheadas e crespas, esquentar a cabeça seja um problema, não é?

Confesso que eu mesma não uso touca há mais de 3 anos porque não achei que combinaria, que ficaria legal e que meu cabelo ficaria muito amassado.

E por isso esse post, pra quebrar minhas barreiras com esse acessório e ajudar quem tem dificuldades também, começa assistindo meu vídeo que dou dicas para quando o cabelo amassar, penteados pra usar, enfim…:

Agora inspirações do Pinterest, Instagram e Googlezão para arrasarmos quentinhas nas ruas do nosso Brasil 😀

Olá amores, vamos falar um pouco sobre cachos?   Dia desses recebi um email super fofo de uma leitora...

Cabelos cacheados | Dicas para usar toucas, bonés e outros tipos de chapéu.

Resultado de imagem para gorro cabelo crespo

Imagem relacionada

 

Resultado de imagem para gorro cabelo crespo

Resultado de imagem para gorro cabelo crespo

19829884_1775458272469303_1708663681_o

19829927_1775457959136001_882474452_o

20048721_1775458255802638_1728661625_o

Tá convencida? Touca e cachos unidos são só amor e calor ❤

coloca touca, vai ficar legal

Espero que tenham gostado!

Grande beijo,

Duda Buchmann

SKOLORS: campanha que brinda a diversidade e a beleza das cores

IMG_20170610_125417839

SKOLORS é uma edição especial das cervejas da Skol, trazendo 5 cores que simulam tons de pele, além da tradicional amarela. As cores são para representar a diversidade e a beleza de de cores que nós formamos.

A campanha tem curadoria dos maravilhosos da MOOC, coletivo de arte, moda, música e audiovisual. O movimento pretende influenciar pessoas à novos olhares e diferentes pontos de vista e principalmente sem aceitar esteriótipos, utilizam a criatividade para expressar o estilo e comportamento dos negros no Brasil.

 “A nossa pele é uma só. Não importa o seu gênero, sua cor, sua classe social, somos todos feitos da mesma coisa. Somos essa diversidade de contrastes e texturas. Somos um só e vários ao mesmo tempo. Somos únicos e somos essa mistura de tudo. É essa a proposta deste projeto. É explorar a beleza dessa diversidade em todos os sentidos. É brindar às nossas diferenças. Não importa sua pele, não importa a cor da lata, a essência é única e é de todos”

Catarina Martins, integrante do coletivo.

“O mundo evoluiu e, como líderes de mercado, precisávamos evoluir junto. Nós de Skol queremos valorizar a pluralidade e incentivar uma vida sem preconceitos e isso tem se refletido em todas as nossas ações e campanhas. As latas chegam para brindar esse momento de transformação e respeito em que o mundo e a SKOL estão vivendo. Por fora, a beleza do diferente e por dentro, todos iguais”.

Maria Fernanda de Albuquerque, diretora de marketing de SKOL.

Recebi o release por e-mail e fiquei encantada com a campanha, as fotos, o vídeo – que pode ser assistido no post que falei de novas campanhas de cerveja no ATL Girls, link aqui -. PIREI com essa foto:

Para surpresa minha, a Skol entrou em contato para me enviar um kit e quando chegou fiquei bastante feliz com o reconhecimento e com uma mensagem:

IMG_20170610_125639638

Escorreu uma lágrima. Juro.

Então, no kit, além das 6 latas veio uma campanha incrível com pôsters.

IMG_20170610_125541341

Fotografei e vou compartilhar alguns aqui para vocês:

IMG_20170610_125648635IMG_20170610_125728281IMG_20170610_125833016IMG_20170610_125847648IMG_20170610_125940005IMG_20170610_130023633IMG_20170610_130045847IMG_20170610_130121007

Tô muito apaixonada! E o objetivo desse material é espalhar por aí, compartilhar na internet, fazer poster, colocar na rua, presentear desconhecidos, ou seja, deixar todo mundo encantado com essa lindeza.

Então, um brinde a essa campanha e à diversidade!

dw_bfe0bc165f3201ee953a226b81b0bac8.jpg

Eu amei e vocês?

Grande beijo,

Duda Buchmann

Como foi a #CasaDasInfluenceRS – Edição de Inverno

Olá, lindezas!

IMG-20170528-WA0061

Acabou a primeira edição da Casa das InfluenceRS e eu já estou com muitas saudades do time que se formou 😦 mas, não para por aí, ou melhor, recém começamos e teremos novidades em breve!

Ih, tá perdido e nem sabe do que estou falando? Expliquei o que e quem são as InfluenceRS nesse post: Casa das influenceRS – Edição de Inverno 🙂

Eu e as outras 9 InfluenceRS passamos o final de semana na Serra Gaúcha (entre Gramado e Canela) e apesar da chuva que não queria acabar nunca, passamos em belos locais e no fim, finalizamos com um roteiro incrível para quando a sorte não colabora e a chuva cai sem parar por lá. Isso se deve aos parceiros do evento que nos proporcionaram belos dias.

Antes do início do evento em si, tivemos pequenos eventos para nos reunir e escolher algumas peças para usar durante a viagem.

  • Paris 6

O primeiro encontro aconteceu no restaurante Paris 6, onde pudemos conhecer todas as participantes e saber mais sobre As InfluenceRS.

  • Delotto:

Em seguida, as participantes foram até o Outlet de Novo Hamburgo na loja Delotto escolher um calçado – minha escolha foi a segunda (E) bota preta:

  • Amo Bijuterias:

Também passamos pela Amo Bijuterias de NH para escolhermos 5 peças (tudo muito lindo e barato por lá!)

  • Gang:

Penúltima parada na Gang – minha escolha foi a calça que estou nessa foto:

  • Donalle:

E, por último, fomos até a loja Donalle escolher uma bolsa. Fomos recebidas com lanche da manhã e taças personalizadas com @as.influencers, puro amor.

Apesar da minha tristeza na foto, foi uma bela manhã rs (tentativa de carão dá nisso).

 

Agora… partiu viagem ✈

 

SEXTA – 26/MAIO:

  • Pandora:

Para aquecer os ânimos para a Serra, realizamos o último evento em Porto Alegre, na loja da Pandora. Fomos recebidas com espumante e docinhos.  Todas ganhamos um bracelete com um berloque de colecionador (único com diamante!).

IMG_20170529_083929660.jpg

  • PhotoPrint Brasil:

Na Pandora, podíamos tirar fotos divertidas com a PhotoPrint Brasil:

  • Le Petit Macarons:

Recebemos na van mesmo os macarons da Le Petit Macarons:

  • Mamma Mia:

Com o tempo chuvoso e o horário, acabamos chegando tarde na cidade e fomos direto jantar na galeteria Mamma Mia.

DSC_0003.JPG

No hotel, FESTA DO PIJAMA!

E teve presentes da Espaço Laser, Beira Rio, Panvel e Cau Cakes ❤ Muito obrigada, todos maravilhosos!

SÁBADO – 27/MAIO

  • Pampas Hotel Fazenda:

Acordamos cedinho no sábado para aproveitar o café da manhã do Pampas Hotel Fazenda.

DSC_0051

Conhecemos por lá quartos especiais de pipas de vinho. Incríveis!

  • Bustour:

Seguimos com a BusTour, transporte turístico da cidade para a Snowland.

DSC_0089.JPG

  • Snowland:

Na Snowland todas nós fizemos patinação na pista de gelo do local. Foi lindo! Inclusive meu tombo de bunda HAHAH

DSC_0108.JPG

  • Hotel Continental:

Pausa para o almoço no Hotel Continental, cardápio delicioso e um carinho imenso com a gente.

  • Museu do Festival de Cinema de Gramado

O próximo passeio foi no Museu do Festival de Cinema de Gramado. Tudo muito lindo por lá e ainda conta com um café com a vista mais incrível da cidade.

DSC_0133.jpg

  • Arezzo Outlet

Visitamos o Outlet da Arezzo e ainda fizemos escolhas lindas por lá! Atendimento dez!

  • Pocket Show Milene Stahl:

Voltamos ao Hotel Renascença e tivemos o privilégio de um pocket show só pra gente da Milene Stahl.

IMG-20170530-WA0015

  • El Fuego:

Para (quase) finalizar o dia, fondue no El Fuego. DE-LÍ-CI-A!

  • Live Instagram:

Ainda deu tempo de uma live no @as.insfluencers ❤

Sem título

DOMINGO – 28/MAIO

Voltamos ao Pampas Hotel Fazenda não só para aproveitar o lindo café da manhã, mas também para tirar umas fotos babadeiras, como essa:

Trio destruidor esse, né não? 💥 #CasaDasInfluenceRS #AsInfluenceRS #negrasecrespas

A post shared by Duda Buchmann 💁🏾 (@negraecrespa) on

E para conhecer a Cabanha Gaúcha que fica dentro do Hotel.

  • Coelho Café Colonial:

Ainda tínhamos fôlego para o Café Colonial do Coelho. Não foi fácil, mas a missão foi cumprida, rs. Muitas opções deliciosas!

  • Harley Moto Show:

Visitamos o Harley Moto Show, bar/pub/museu da Harley. Fãs de moto irão pirar!

IMG_20170528_135546_042.jpg

  • Super Carros:

Para finalizar, conhecemos o museu do Super Carros.


Foi uma viagem incrível! Amei conhecer mais das gurias e comer tanta coisa gostosa, rs. A chuva só parou no último dia, mas fizemos uma visita maravilhosa na Serra! QUERO MAIS!

Ah, nossa hospedagem foi no Hotel Renascença, que nos recebeu muitíssimo bem e é uma lindeza só.

Nosso transporte por Gramado foi com o queridão do Cris e obrigada Alex, motorista que nos acompanhou de Porto Alegre-Gramado e Gramado-Porto Alegre, ambos da Brocker Turismo.

IMG-20170528-WA0058.jpg

AMEI! E em breve teremos mais novidades juntas, acompanhe nosso instagram @as.influenceRS. Os vídeos já estão saindo e logo coloco todos os links de vlogs e colabs aqui em um novo post.

Grande beijo,

Duda Buchmann

 

Casa das influenceRS – Edição de Inverno

Casa das InfluenceRS

10 gaúchas youtubers, instagrammers e bloggers de moda, beleza e comportamento feminino em um hotel de Gramado durante 3 dias produzindo conteúdo juntas, essa é a Casa das InfluenceRS. Projeto inspirado na “Casa dos Youtubers”, evento que ocorre anualmente no Rio de Janeiro com a participação de influenciadores digitais do Brasil inteiro.

Ou seja, muitas colaborações lindas em breve aqui, no Instagram, Facebook e Youtube

Isso tudo é obra das lindas Dada Mitinguel, Ju Barsante e Cons Zarpellon, que além de organizadoras, também fazem parte do elenco de blogueiras nessa edição.

Instagram Oficial das InfluenceRS

A Casa das InfluenceRS – Inverno conta com um elenco de peso, veja quem está:

Dada Mitinguel:

Site: CLUB VIP DA LULUSINHA blog de moda e beleza by Dada Mitinguel | @dadamitinguel

dd

Juliana Barsante:

Site: JulianaBarsante | @jubarsante

sdf

Constanza Zarpellon:

Site: Constanza Zarpellon – Fashion Designer | @conszarpellon

fhh

Eu (Duda Buchmann):

Site: Negra e Crespa – Sobre autoestima negra feminina | @negraecrespa

ds

Caroline Trenz:

Site: Caroline Trenz | @carolinetrenz

18425905_1699160170099114_61047516_n

Dóris Baumer:

Site: Dóris Baumer| @ddbaumer

img_3147.jpg

Gabih Machado:

Site: Gabih Machado| @gabihmachado

ds

Duda Fernandes:

Site: Duda Fernandes |@oficialdudafernandes

gxg

Jéssica Hoffmann:

Site: Descontraída Blog | @descontraida

sdad

Michele Botan:

Site: Fan Blog da Mi | @michelebotan

hf.png

Os Apoiadores do Projeto:

Pandora, Panvel Farmácias, Gang, Jorge Scherer, CauCakes, Amo Acessórios, Delotto, Paris 6, El Fuego, BusTour, Beira Rio, Brocker Turismo, Divisa Eco Lodge, PhotoPrint, Snowland, Arezzo, Donalle, Mamma Mia, Museu do Festival de Cinema de Gramado, Coelho Café Colonial, Le Petit Macarrons, Renascença Hotel, Espaço Laser.

6548_057_AS_INFLUENCERS (1).jpg

Acompanhem as redes sociais de todas que vai rolar muita muita coisa linda!

E… AGUARDEM A EDIÇÃO DE VERÃO!

Grande beijo,

Duda Buchmann

Espetáculo: Salina (a última vértebra) no Teatro Renascença

Salina_Foto-Andreia-Teixeira.jpg

Olá, lindezas!

Dica cultural para vocês de Porto Alegre e arredores.

Nos dias 20 e 21 de maio ocorrerá a peça “Salina (a última vértebra)” no Teatro Renascença, às 19h.

A peça é ambientada em uma África ancestral e aborda a história de uma mulher negra que foi oprimida pela sociedade, violentada e rejeitada. O espetáculo convida a plateia a fazer uma reflexão sobre questões universais e multiculturais, como as complexidades humanas, as convenções morais e os dramas femininos.

Salina_Foto-Daniel-Barboza.jpg

Ainda dá pra curtir nesse domingo, hein?

Mais informações:

Espetáculo do Palco Giratório aborda dramas femininos e cultura africana neste final de semana

Peça “Salina (a última vértebra)” ocorre nos dias 20 e 21 de maio, às 19h, no Teatro Renascença

Neste sábado e domingo (20 e 21), às 19h, o grupo carioca Amok Teatro, apresenta a peça “Salina (a última vértebra)” no Teatro Renascença (Av. Érico Veríssimo, 307). O espetáculo compõe a programação deste final de semana do 12º Festival Palco Giratório Sesc/POA. A montagem é ambientada em uma África ancestral, com elementos inspirados em tradições afro-brasileiras, como o congado e o candomblé. Em meio a este cenário, é narrada a história de uma mulher oprimida, violentada e rejeitada. Casada à força, a personagem que dá nome ao espetáculo, é estuprada pelo marido e concebe um filho, o qual ela não consegue se afeiçoar. Pelo desamor ao marido, ela é julgada e abandonada no deserto, onde reflete sobre sua vida e tenta se reerguer. A peça convida a uma reflexão sobre questões universais e multiculturais, como as complexidades humanas, as convenções morais e os dramas femininos. Os ingressos custam a partir de R$ 10 e podem ser adquiridos no Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665 – térreo) ou no local da apresentação uma hora antes do espetáculo, mediante disponibilidade. Para mais informações e agenda completa, acesse https://www.sesc-rs.com.br/palcogiratorio/.

Sobre o Festival – O 12º Festival Palco Giratório Sesc/POA segue movimentando o cenário cultural de Porto Alegre até 28 de maio. Mais de 100 sessões artísticas estão previstas na programação, como peças teatrais que abrangem a todos os públicos, do infantil ao adulto, exposições de artes visuais, musicais, dança, circo e atividades formativas como o Seminário “Práticas de Emergência Cênica”. São 54 espetáculos de 46 grupos, vindos de 13 estados brasileiros, sendo um internacional, direto da Bolívia, e outro uma co-produção Brasil/Itália. O Festival Palco Giratório Sesc/POA é uma realização do Sistema Fecomércio-RS/Sesc e integra a agenda do Arte Sesc – Cultura por toda parte.

Espetáculo: Salina (a última vértebra)

Amok Teatro / RJ

Datas: 20 e 21/05

Local: Teatro Renascença (Av. Erico Veríssimo, 307)

Horário: 19h

Classificação etária: 12 anos

Duração: 3h40 (incluindo um intervalo de 20′)

Ingressos R$ 10 comerciários e dependentes com Cartão Sesc/Senac, estudantes, classe artística e maiores de 60 anos, R$ 15 empresários e dependentes com Cartão Sesc/Senac e R$ 20 público em geral.

Sinopse: Salina conta a saga da personagem que dá nome ao espetáculo. Casada à força e violada por seu marido, ela dá à luz Mumuyê Djimba, um filho que ela detesta tanto quanto o pai. Acusada de deixar o esposo morrer agonizante num campo de batalha, Salina é banida de sua cidade. Exilada no deserto, ela alimenta seu desejo de vingança. Da sua ira, nasce Kwane, que trava uma guerra com seu irmão, Djimba, até que uma reviravolta surpreendente acontece no destino de Salina.

Ficha técnica:

Texto: Laurent Gaudé

Direção, cenário e figurino: Ana Teixeira e Stephane Brodt

Elenco: Ariane Hime, Cridemar

Aquino, Graciana Valladares, Luciana Lopes, Reinaldo Junior, Robson Feire, Sergio Loureiro, Sol Miranda, Tatiana Tibúrcio e Thiago Catarino

Música: Fábio Simões Soares

Luz: Renato Machado

Assistente de Direção: Vanessa Dias

Coreografias: Tatiana Tibúrcio

Bonecos: Maria Adélia

Tradução: Ana Teixeira

Revisão do Texto: Sol Miranda

Operação de luz: Andreia Teixeira

Intercâmbio: Mestre Jorge Antonio Dos Santos, Marcio Antonio Dos Santos e Fabiano dos Santos.

Não percam!

Duda Buchmann
 

Conheça o ensaio ‘Filhas e Filhos de Dandara’ da Urban Project

IMG_20170513_222520_260

O Urban Project foi criado com o intuito de compartilhar experiências vivenciadas, de forma autêntica e momentos únicos do cotidiano urbano. Desenvolvido por Marlon W. Laurencio e Marcelo Niluk Vianna (Billy) em Junho de 2016, em Porto Alegre/RS.

Para o 13 de maio – historicamente conhecido como dia da abolição da escravatura pela Lei Áurea de 1888, mas para o movimento negro essa data não é reconhecida e preferimos exaltar nossos verdadeiros heróis – Marlon Laurencio e Billy Valdez realizaram o ensaio ‘Filhas e Filhos de Dandara’ nas ruas do Centro de Porto Alegre com negros que relataram sua experiência de vida.

Pensando na importância de sermos protagonistas a URBAN PROJECT lança neste dia 13 o ensaio “FILHAS E FILHOS DE DANDARA”, que visa principalmente o empoderamento negro, através da estética sensibilizada nas fotografias e dos relatos pessoais de quem ainda não pode comemorar a dita liberdade. Dia 13 de maio é celebrado no Brasil a Abolição da Escravatura. Em 1888, ainda como Império, o Brasil é o último país latino a declarar completamente a liberdade para o povo negro. Princesa Isabel é erroneamente nomeada como “redentora”, todavia ela nunca foi uma abolicionista, apenas cedeu às pressões dos grupos abolicionistas. Existe sim uma heroína nessa história, ela é negra, mulher, escravizada, ela é Dandara! Devido a sua ausência na historiografia, pouco sabemos sobre Dandara, e muitos julgam que sua existência não passa de uma lenda. Todavia, acreditamos na sua breve história, Dandara foi a companheira de Zumbi dos Palmares e com ele teve três filhos. Uma mulher a frente do seu tempo, e que assim como outras mulheres que viviam no quilombo, lutaram nas batalhas quando Palmares foi atacado. Uma verdadeira heroína, que preferiu a morte, jogando-se do alto de uma pedreira, do que voltar à condição de escrava. A história da formação do Brasil que nos é contada, a partir da visão eurocêntrica e machista tem na sua hierarquia decrescente: homens brancos, mulheres brancas, homens negros e por último as mulheres negras (o mesmo ocorre com homens e mulheres de povoados indígenas). É a partir dessa lógica que Isabel é a “redendora”, e não Dandara.
Nós somos os protagonistas da nossa história! Somos Dandara, somos Zumbi. Somos Angela Davis, somos Martin Luther King. Somos Carolina Maria de Jesus, somos Abdias do Nascimento. Somos Petronilha da Silva, somos Oliveira Silveira.

Larissa Oyarzabal

A ideia é linda e o resultado mais incrível ainda! Confere alguns trechos dos relatos e algumas fotos, mas para conferir tudo (inclusive o meu relato), clica aqui.

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
Cristiane Leite

Trabalho fiscalizando obras no interior do estado e sofro quase que mensalmente algum tipo de RACISMO, quando revido sempre ouço a mesma coisa – Mas você não é NEGRA é moreninha!
Revido quase SEMPRE dizendo que sou negra SIM com muito ORGULHO filha e neta de NEGROS e me orgulho muito DISSO!

A imagem pode conter: 1 pessoa, chapéu e atividades ao ar livre
Gilson Nei

Mas, se eu fosse falar aqui a quantidade de pessoas que mudam de calçada quando você passa, por medo de ser assaltado, ou se você toma paredão e tapa na cara da polícia, ou se algum segurança te segue o tempo todo no mercado, ou se você vai ficar brigando por espaços e cotas camuflados na palavra “NÃO”, LEMBREM E NUNCA SE ESQUEÇAM DE QUE OS DIREITOS SÃO OS MESMOS, INDIFERENTE DA COR DA PELE.

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
Monique Brito Cunha

Tomei logo por decisão: não vou mais sofrer com isso. Lembro-me de pedir para a senhora que trançava o cabelo da minha mãe (e também confeccionava perucas) que me fizesse uma peruca loura de cabelos lisos. Estava resolvido o meu problema! As meninas louras da escola eram cheias de amigos e todos queriam brincar com elas.”Está bem. Amanhã te trago de presente!”, rindo ela disse, achando engraçado o meu pedido. A peruca, obviamente, nunca chegou. E com ela a decepção.

Forte, libertador e dá uma vontade enorme de seguir em frente!

~Site da Urban Project: http://contatourbanprojec.wixsite.com/

~Facebook: https://www.facebook.com/contatourbanproject/

Espero que tenham gostado,

Duda Buchmann

Projeto Humanae: as verdadeiras cores da humanidade

  HUMANÆ - WORK IN PROGRESS    Humanæ is a “work in progress” by the Brazilian Angélica Dass, who intends to deploy a chromatic range of the different human skin colors. Those who pose are volunteers who have known the project and decide to participate. There is no previous selection of participants and there are no classifications relating to nationality, gender, age, race, social class or religion. Nor is there an explicit intention to finish it on a specific date. It is open in all senses and it will include all those who want to be part of this colossal global mosaic. The only limit would be reached by completing all of the world’s population.  A photographic taxonomy of these proportions has been rarely undertaken; those who preceded Angélica Dass were characters of the 19th century that, for various reasons - legal, medical, administrative, or anthropological - used photographs to establish different types of social control of the power. The best-known is that of the portraits of identity, initiated by Alphonse Bertillon and now used universally. However, this taxonomy close to Borges´ world, adopts the format of the PANTONE ® guides, which gives the collection a degree of hierarchical horizontality that dilutes the false preeminence of some races over others based on skin color or social condition.  These guidelines have become one of the main systems of color classification, which are represented by means of an alphanumeric code, allowing to recreate them accurately in any medium: is a technical-industrial standard. The process followed in Humanæ also is rigorous and systematic: the background for each portrait is tinted with a color tone identical to a sample of 11 x 11 pixels taken from the face of the photographed. Aligned as in the famous samples, its horizontality is not only formal also is ethical.  Thus, without fuss, with the extraordinary simplicity of this semantic metaphor, the artist makes an “innocent” displacement of the socio-political context of the racial problem to a safe medium, the guides, where the primary colors have exactly the same importance that the mixed ones. It even dilutes the figure of power that usually the photographer holds. The use of codes and visual materials belonging to the imagery that we all share, leaves in the background the self-referentiality of the artist, insistent and often tiresome.  The will that the project evolves in other directions beyond their control (debates, educational applications, replicas and a host of alternatives that have already triggered by sharing Humanæ on social networks) contributes also to the dilution of the hierarchy of the author.  Many of the ingredients that characterize the [best] spirit of this time appear to be part of this project: shared authorship, active solidarity and local proposals likely to operate globally, networking, communication expanded to alternative spaces of debate, awareness without political ideology, social horizontality…  The spectator is invited to press the share button in his brain.   Alejandro Castellote    PANTONE® and other Pantone trademarks are the property of, and are used with the written permission of, Pantone LLC.  PANTONE Color identification is solely for artistic purposes and not intended to be used for specification.  All rights reserved. Angélica Dass é a criadora do projeto Humanae que tem como objetivo criar reflexões sobre a cor das pessoas a partir de códigos da Pantone (empresa americana mundialmente conhecida por seu sistema de cores). Ela é uma artista e fotógrafa brasileira, negra (descendente de índios e negros), que mora na Espanha com seu marido espanhol que, segundo ela, tem cor de lagosta queimada de sol, rs. A ideia do projeto começou com o questionamento das pessoas em relação a cor que teriam os filhos do casal, mesmo que ela não se preocupasse, ela resolveu usar a fotografia para isso.

Resultado de imagem para ANGELICA DASS
Angélica Dass

Iniciou sua busca por documentar as verdadeiras cores da humanidade, em vez das não verdadeiras – branco, vermelho, preto e amarelo -, associadas à raça humana. Então, ela iniciou uma série fotográfica em que faz o retrato da pessoa em um fundo branco e liga seu tom de pele a escala de cores da Pantone. Iniciou o projeto na Espanha, em 2012, e até o ano de 2016 já tinha fotografado 3.000 pessoas em 13 países diferentes. Dentre os países, Angélica afirma que o Brasil é o mais colorido que ela passou.

Os resultados foram sendo mostrados em exposições e/ou ações e até fevereiro de 2017, já apareceram em países como a Grécia, Espanha, Coreia do Sul, Itália, Indonésia, Equador, Holanda, Suíça.

No fim, foi criado um banco de rostos que é utilizado em estudos também.

Algumas fotos do catálogo:17072012pantone3

17072012pantone1

17072012pantone4

17072012pantone2

Em fevereiro de 2016, Angélica fez uma palestra no TED, em Vancouver, para falar sobre o projeto. Além do Humanae, ela comentou algumas situações racistas que passou e disse que o Brasil é o pior país para se nascer negro, pois aqui há um preconceito institucionalizado e escondido.

 

Demais, né?

Site Projeto: humanae.tumblr.com/ Site Angélica Dass: http://www.angelicadass.com/

Espero que tenham gostado!
Beijos,

Inspiração de CACHOS RUIVOS

Imagem relacionada

Recuperando o fôlego depois dessa foto da Rihanna…

Beleza é relativo e graças ao Universo todos temos a nossa particular e incrível de um jeito só nosso. Mas a Rihanna abusou, né? E foi a partir dessa fase da Riri crespa e ruiva lá por 2010 que me apaixonei por essa combinação CURLY RED HAIR.

E foi por conta disso e de uma nova onda de cachos ruivos que juntei algumas fotos maravilhosas da internet para inspirar quem tá pensando em deixar os cabelos em tons  bem quentes.

Resultado de imagem para red afro hair

Resultado de imagem para lelezinha cabelo vermelho

Resultado de imagem para red afro hair

Independente da curvatura do cachos, do tom do vermelho e do formato do rosto. Acho que combina demais! O contraste com a pele negra fica apaixonante.

Sem título

Sem título

Sem título.jpg

Sem título.jpg

Sem título

Sem título

Sem título

Sem título.jpg

Eu já me arrisquei, vocês sabiam? Mas infelizmente durou pouco tempo essa cor nos meus fios.

dasd

Informações da tintura e porque fiquei ruiva estão nesse vídeo, já assistiram?

 

Espero que gostem desse post recheado de lindeza ❤️

Grande beijo,

Duda @negraecrespa