Dia da mulher negra & ‘Brown Skin Girl’

Dia da mulher negra & ‘Brown Skin Girl’

Lindezas,

Hoje é DIA DA MULHER NEGRA no Brasil, desde 2014, a data foi dada como homenagem a Tereza Banguela também (saiba mais sobre esse dia aqui).

A mulher negra historicamente era uma mulher que estava fora do padrão. Que não era bonita, que existia apenas servir os outros. Obviamente isso é passado! Não aceitamos mais ficarmos em segundo plano. Nem sermos desrespeitadas pelo tom de nossa pele ou nosso cabelo afro.

Na última semana, Beyoncé (sim, sempre ela 🖤) lançou um álbum especial e uma das faixas está encantando a todos: Brown Skin Girl, música cantada por ela, Saint Jhn & Wizkid e com participação da filha Blue Ivy Carter. A faixa fala justamente da beleza da menina negra. Um verdadeiro presente para cada uma de nós e para repensarmos no nosso amor próprio e nossas capacidades.

A letra:

Menina negra
Sua pele é como pérolas
A melhor coisa do mundo
Nunca troque você por mais ninguém
Cantando: Menina negra
Sua pele é como pérolas
A melhor coisa do mundo
Eu nunca trocaria você por mais ninguém, cantando

Ela disse que realmente cresceu pobre como eu
Não acredita em nada além do Todo Poderoso
Apenas um jeans e uma camiseta toda branca
Ela nunca quis ser esposa de alguém pra sempre, sim
Então, eu posso não ser um garoto bonito, mas seu coração está errado
Se faz de vilã porque foi pega numa onda
Esta noite eu estou indo embora
Alinhei minha mente na rotina, sim, sim

Esta noite eu posso me apaixonar, dependendo de como você me abraçar
Estou feliz que estou me calmando, não posso deixar ninguém me controlar
Continuo dançando e chamo de amor, ela resiste, mas se apaixona aos poucos
Se alguma vez você estiver em dúvida, lembre-se do que mamãe me disse

Menina negra, sua pele é como pérolas
Com suas costas contra o mundo
Eu nunca trocaria você por mais ninguém, diga
Menina negra, sua pele é como pérolas
A melhor coisa do mundo todo
Eu nunca trocaria você por mais ninguém, diga

Pose como um troféu quando as Naomis entram
Ela precisa de um Oscar por essa pele bem escura
Bonita como a Lupita quando as câmeras dão um close
A beleza quebra o dique quando minhas Kellys chegam
Eu acho que esta noite ela vai trançar suas tranças
A melanina é muito escura pra alguém conseguir escondê-la
Ela cuida da própria vida e mexe a cintura
Ouro tipo 24 quilates, tá bem?

Oh, você se olhou no espelho ultimamente?
Queria que você pudesse trocar de olhos comigo (porque)
Há complexidades na tez
Mas sua pele brilha como diamantes
Se me escavar como a terra, você dará à luz
Pegue tudo na vida, querida, saiba seu valor
Eu amo tudo em você, de seus cachos crespos
A cada uma de suas curvas, seu corpo natural
A mesma pele que foi quebrada é a que chegou chegando
A maioria das coisas fora de foco, visão
Mas quando você está na sala, eles notam você
Porque você é linda
Sim, você é linda

Os homens vão se apaixonar por você e toda a sua glória
Sua pele não é apenas escura, ela brilha e conta sua história
Continue dançando, eles não podem te controlar, eles assistem, todos eles te adoram
Se alguma vez você estiver em dúvida, lembre-se do que mamãe disse a você

A letra inspirou tanto e o ritmo é tão gostoso (essa faixa é as outras são inspiradas na cultura musical africana) que facilmente virou #BrownSkinGirlChallenge nas redes sociais e temos coisas lindas como essa:

Que seja assim pra mais, ?

Grande beijo,

Duda Buchmann

Anúncios

Opinião: será que precisamos mesmo de um dia para Consciência Negra?

Opinião: será que precisamos mesmo de um dia para Consciência Negra?

Texto para Revista Donna (2017)

Parece que a sociedade inteira percebe as condições de vida da população negra só em novembro, né? Afinal, ocorre uma “chuva” de eventos em relação a isso. Nós nos acostumamos a acompanhar uma programação especial a respeito de Consciência Negra, mas será que essas atividades estão sendo consumidas de verdade? E no resto do ano, como fica?

Esta terça-feira é 20 de novembro, data em que celebra-se o Dia da Consciência Negra no Brasil. A data foi escolhida pela morte do Zumbi dos Palmares (em 1695). É uma causa tão forte e significativa que não merecia apenas um dia no calendário para ser lembrada, mas, enfim, é o que temos.  A pergunta que fica para muitos é: será que ela é necessária? Por que não temos o dia da consciência branca?

Enquanto o salário for quase metade do homem branco mesmo com cargos iguais, enquanto um homem negro – vítima de assalto – ser espancado por acharem que o suspeito é ele, enquanto o número de jovens negros mortos for tão alto, enquanto o julgamento da cor da pele ser o mais importante, enquanto uma mãe com filhos negros sofrer diariamente, enquanto ouvirmos/lermos a expressão “racismo reverso”, enquanto não houver reconhecimento de privilégios, sim, precisaremos!

E, por favor, entenda que está longe de ser o dia do mimimi ou do vitimismo. Temos muito o que alcançar e conquistar e não entendo porque o protagonismo ainda possa incomodar tanto. Estamos sendo notados? Sim, mas pouco e queremos mais. É necessário canalizar a visibilidade para mais pessoas. Somos mais da metade da população, poxa!

O 20 de novembro é mais um dia para refletir e tentar entender a situação em que vivemos e lutar por melhorias. Em um país em que todos os âmbitos desmerece a população negra, temos muito a evoluir.

Sim, consciência negra deveria ser todos os dias, mas enquanto não temos isso…

Segundo estudo, as mulheres negras têm a menor renda entre os diplomados no país

Segundo estudo, as mulheres negras têm a menor renda entre os diplomados no país

Mulher negra recebe muito menos que homem e mulher brancos e homem negro, mesmo todos diplomados. Mais uma prova de que ser mulher negra no Brasil é bem difícil mesmo.

Imagem relacionada

Esses dados foram apresentados no estudo “O Desafio da Inclusão”, do Instituto Locomotiva, com base de dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Os resultados são que entre homens brancos acima de 25 anos, 18% têm ensino superior e renda média de R$ 6.702 e entre os negros, apenas 6% têm graduação, e a renda média é de R$ 4.810. E se tratando de distinção de gênero, entre mulheres brancas 21% tem diploma e o rendimento médio é de R$ 3.981, já entre as mulheres negras, 9% são diplomadas e possuem a menor renda média, R$ 2.918. Ou seja, de acordo com o estudo, as mulheres negras têm a menor renda entre os trabalhadores com ensino superior. A diferença salarial de um homem branco e uma mulher negra é de 43%!

Se essa imagem fosse em uma empresa qualquer, com personagens reais e com o mesmo nível de posição, você saberia dizer quem ganha mais?

Além de termos que nos superar a cada dia, não ter espaço para falhas mínimas, ainda recebemos menos. Por que a cor da pele define competência de alguém?

Tal desigualdade salarial entre brancos e negros e entre os sexos representa um prejuízo bilionário. Segundo o Locomotiva, a desigualdade salarial causa um prejuízo bilionário, já que há o desperdício de mais de 800 bilhões de reais que poderiam estar no mercado.

E aí, vamos ficar até quando definindo capacidade pela raça? Não podemos esperar chegar os 150 anos previstos para equilibrar as oportunidades de brancos e negros.
A mudança tem que ser já, agora!!!
Duda Buchmann
Texto original escrito para o ATLGirls.

Dia Nacional do Livro: dicas dos livros levados para as votações – “mais livros, menos armas”

Dia Nacional do Livro: dicas dos livros levados para as votações – “mais livros, menos armas”

Oi, lindezas!

O dia de ontem (28) foi histórico por N motivos, mas uma das partes lindas foi a mobilização de eleitores levando livros consigo na hora de votar, a convite do candidato Haddad e de sua fala de “MAIS LIVROS, MENOS ARMAS”.

Aproveitando o Dia Nacional do Livro no dia de hoje, 29 de outubro, juntei alguns dos livros que vi em fotos de famosos ou não para compartilhar com vocês.

Segue as fotos dessa galera linda e abaixo a listagem dos livros:

View this post on Instagram

Ontem aconteceu uma coisa que me trouxe todo alívio e esperança que precisava para enfrentar o dia de hoje, os próximos anos, a minha vida toda. Fui em um aniversário de uma prima minha, ao chegar foi nos indicado ir até a mesa 16. Dividimos a mesa com um senhor que não conhecíamos, estava desacompanhado e muito interessado em nos conhecer. Perguntou sobre minha descendência, sobre os países que eu já conheci. Ele disse que já viajou pra quase todos os países da América Latina, e conhecia muitos outros países através dos livros que já tinha lido. O sonho dele, quando tivesse mais dinheiro, era poder montar uma biblioteca com as edições mais recentes de todos os livros que leu. – ..por enquanto foram 873 livros lidos – disse ele. Após isso, nos perguntou se lembrávamos do nosso primeiro livro, nenhum de nós soube responder. Assim, esse senhor nos contou que foi a primeira pessoa a fazer uma cirurgia para melhorar da sinusite aqui no sul, vieram médicos de São Paulo para operá-lo e ele passou dois meses em recuperação no hospital. Foi lá, aos 18 anos, na busca por algo que ajudasse a passar o tempo monótono que leu o seu primeiro livro. – Meu primeiro livro foi o Muros Altos, da Cassandra Rios. Esse livro fala sobre homofobia. Muito surpresa, perguntei o que ele sentiu ao ler um livro sobre homofobia numa época em que esse tema não era nada falado, e aí que veio a fala marcante: – Eu vou te dizer o que eu achei. Alguns anos depois, eu tive uma filha que preferiu ser um homem. Ela..na verdade ele, usa bigode e cabelos curtos. Eu amo ele e vou seguir amando sempre, por que ele é meu filho e eu sei que isso não faz diferença pois eu li sobre isso. Nada mais gratificante acordar hoje e ver pessoas indo votar com um livro na mão. Significa muito, pois não é só um livro, é um pedido por amor ❤ Independente de quem for eleito, eu vou estar defendendo sempre esta bandeira, pois histórias como essa me traz a maior certeza do que realmente precisamos. #livrosim #elenao

A post shared by Akemi Ueno (@kemiueno) on

View this post on Instagram

E seja o que Ele quiser…🙏🏿

A post shared by David Junior (@davidjunior) on

View this post on Instagram

Voto com livro 🌈

A post shared by Luis Lobianco (@luislobianco) on

View this post on Instagram

Votado ❤️

A post shared by Leticia Colin (@leticiacolin) on

View this post on Instagram

Democraticamente a(r)mada 📚

A post shared by Fernanda Paes Leme (@fepaesleme) on

View this post on Instagram

Pela Paz e pelo diálogo!

A post shared by Patricia Pillar (@patriciapillar) on

View this post on Instagram

Sorriso e força pra encarar o dia de hoje não apagam o medo, mas nos lembram que ele não pode nos dominar. Porque no dia em que ele for a única coisa que nos restar na vida, estaremos verdadeiramente perdidos. Enquanto existirmos e tivermos forças pra lutar e pernas pra correr, há esperança e se há esperança, o medo se dissipa aos poucos. Independente dos resultados de hoje a luta continua. Independente do que acontecer não vamos nos calar, esconder, esquecer. Independentemente do que acontecer, pro nosso bem ou pro nosso mal, continuaremos lutando contra esse projeto político violento e conservador que está tomando conta do nosso país. Escolhemos nossos livros: eu, o Movimento Negro Educador de @nilmalino13 e @jonasmariaa Problemas de Gênero da Butler. Cuidado nas ruas! Somos resistência mas sejamos espertos! Se está sozinha e sente que em um espaço complicado, guarda o adesivo porque sua resistência, é seu voto! Força e esperança para todos nós! ❤️ . #Haddad13 #ViraVoto #EleNão

A post shared by Nátaly Neri (@natalyneri) on

View this post on Instagram

Pela liberdade da Democracia e a força dos livros!

A post shared by Drica Moraes (@oficialdricamoraes) on

Lista de livros:

  • Autobiografia de Malcom X
  • OBAX – André Neves
  • Para educar crianças feministas – Chimamanda Ngozi Adichie
  • Um defeito de cor – Ana Maria Conçalves
  • Quem tem medo do feminismo negro? – Djamila Ribeiro
  • Cartas da prisão de Nelson Mandela
  • Mulheres, raça e classe – Angela Davis
  • O ódio que você semeia – Angie Thomas
  • Ensaio sobre a cegueira – José Saramago
  • Fico besta quando me entendem – Hilda Hist

  • O movimento negro educador – Nilda Lino Gomes
  • Problemas de Gênero – Judith Butler
  • Viva o fim – André Carvalhal
  • Na minha pele – Lázaro Ramos
  • Mulheres – Carol Rossetti
  • Mídia e racismo: ensaios – Rosalia Diogo
  • O livro dos abraços – Eduardo Galeano
  • Dona Flor e seus dois maridos – Jorge Amado
  • O livro das semelhanças – Ana Martins Marques
  • Grande Sertão: Veredas – Guimarães Rosa
  • Eu sou eternamente livre – Luiz Carlos Silveira Dias Junior
  • Ensaios de amor – Alain de Botton
  • Casamento Igualitário – Bruno Bimbi
  • A ditadura envergonhada – Elio Gaspari
  • Batismo de sangue – Frei Betto
  • A autobiografia de Martin Luther King
  • A vida como ela é – Nelson Rodrigues
  • Devassos no paraíso – João Silveiro Trevisan
  • Textos em ficção – Hilda Hilst
  • Insubmissas lágrimas de mulheres – Conceição Evaristo
  • Persépolis – Marjani Satrapi
  • A menina que roubava livros – Markus Kusak
  • O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado – Abdias do Nascimento
  • Brasil: uma biografia – Heloisa Maria Murgel Starling e Lilia Schwarcz
  • O mundo é bárbaro – Luis Fernando Veríssimo
  • Contos reunidos – Rubem Fonseca
  • Cartas perto do coração – Fernando Sabino e Clarice Lispector

 

Baita seleção de títulos, né?

BOA LEITURA ❤

Grande beijo,

Duda Buchmann

‘História pra ninar gente grande’: Marielle Franco é homenageada em enredo da Mangueira no próximo carnaval

‘História pra ninar gente grande’: Marielle Franco é homenageada em enredo da Mangueira no próximo carnaval

7 meses sem respostas. Quem matou Marielle e Anderson?

A escola carnavalesca Estação Primeira de Mangueira quis chamar atenção para esse caso de assassinato da vereadora Marielle Franco citando o nome dela em seu novo enredo História Pra Ninar Gente Grande, do carnavalesco Leandro Vieira. Eu achei a letra incrível e um real alerta para aquele país que a gente tenta colocar pra “baixo do tapete” sempre que pode.

Um dos compositores do samba, Tomaz Miranda, disse que é em homenagem a memória de Marielle e Anderson Gomes (motorista morto no atentado) e toda luta que ainda virá.

Brasil, meu nego
Deixa eu te contar
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar
Na luta é que a gente se encontra

Brasil, meu dengo
A mangueira chegou

Com versos que o livro apagou
Desde 1500
Tem mais invasão do que descobrimento
Tem sangue retinto pisado
Atrás do herói emoldurado
Mulheres, tamoios, mulatos
Eu quero um país que não está no retrato

Brasil, o teu nome é Dandara
Tua cara é de cariri
Não veio do céu
Nem das mãos de Isabel
A liberdade é um dragão no mar de Aracati

Salve os caboclos de julho
Quem foi de aço nos anos de chumbo
Brasil, chegou a vez
De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, malês

Mangueira, tira a poeira dos porões
Ô, abre alas pros teus heróis de barracões
Dos Brasil que se faz um país de Lecis, jamelões
São verde- e- rosa as multidões

Ícaro and The Black Stars: a peça que faz uma retrospectiva da música negra mundial

Ícaro and The Black Stars: a peça que faz uma retrospectiva da música negra mundial

Olá, lindezas!

No início de julho eu estava no Rio de Janeiro e tive oportunidade de assistir a peça musical Ícaro and The Black Stars no Teatro XP protagonizado por Ícaro Silva. Antes de falar sobre ela, preciso dizer que já estou torcendo demais por uma turnê nacional, todo mundo precisa assistir!

Eu sou fã do Ícaro desde os tempos de black power do Rafa na Malhação, acompanho a carreira dele e me surpreendi positivamente quando o assisti no quadro Show dos Famosos no Domingão do Faustão (apesar de acompanhar ele na TV, eu não tinha ideia do talento dele nos musicais). E acho que foi a participação dele no programa que deu o ponta pé no musical.

Um teatro com negros como personagens principais, em uma zona do Rio de Janeiro, com casa lotada é representatividade!

O musical é uma viagem espacial com momentos importantes da música dos negros no mundo. Tem Beyoncé, Gilberto Gil, James Brown, Jackson 5, Bob Marley e muito mais. A produção é simples, conta com duas cantoras (as Black Stars), banda com dois assopros e uma percussão e uma dj, todos extremamente talentosos! Fiquei encantada com tanto talento em um pequeno grupo. O texto é de Pedro Brício e a direção musical é de Alexandre Elias. E tem a proposta de ter um convidado por noite, na nossa foi a Daúde, cantora do hit Pata Pata (1997). Foi uma noite inesquecível! Muita energia, muita ginga, muito humor e muito ritmo!

E a vontade de levantar pra dançar? Apesar de ser uma peça musical, pode ser confundido com um show tranquilamente, rs. O próprio Ícaro explicou um pouco para ao jornal Extra:

“Não é um show, um musical nem uma peça de teatro. É um milk shake de possibilidades artísticas. Reuni nesse trabalho ícones negros que permeiam a cultura popular, assim como a minha vida, e que, ao mesmo tempo, dialogam com o que eu quero ser e fazer, que é algo que tem a ver com performances”.

É pra se apaixonar, se envolver, se entreter e saber um pouco mais da cultura negra tão extensa e rica!

Em “ÍCARO and The Black Stars” a plateia mergulha na emoção destes artistas negros que fizeram o mundo cantar, dançar e pensar. Reis e rainhas pela grandeza. Pelos passos mágicos de Michael Jackson, pela poesia de Bob Marley, pelo timbre de Beyoncé ou pela loucura de Tim Maia. Por meio desses artistas homenageados, o espetáculo mostra que existem possibilidades de um mundo plural e democrático, independente de etnia, credo, cor, sexualidade e gênero. Uma grande homenagem a esses ídolos, para cantarmos e dançarmos com eles.

Cantando e contando sucessos da história da Black Music, o artista, vencedor do quadro “Show dos Famosos”, leva ao público o som de Michael Jackson, Bob Marley, Tim Maia, Wilson Simonal, Beyoncé, James Brown e outras estrelas. Entre as músicas, Ícaro conta histórias vividas por estes ídolos em paralelo com suas histórias pessoais. Trabalhando juntos pela terceira vez, o trio Ícaro Silva, Pedro Brício e Alexandre Elias vem com tudo nesta nova produção. Juntos fizeram também “S’imbora o Musical” e “Show em Simonal”.

A peça não está mais no Teatro XP e está em cartaz nesse final de semana no Teatro Bambu Shopping.

Grande beijo,

Duda Buchmann